Dra. Erika Uchida

Pálpebras caídas – O pode ser feito?

Pálpebras caídas – O pode ser feito?

As pálpebras caídas geralmente causam certos incômodos para as pessoas que têm esse tipo de problema, pois geram o efeito de uma aparência mais velha e também alguns desconfortos no dia a dia.

Normalmente não é por nenhuma causa grave que isso ocorre, podendo ser tanto o fruto de uma malformação na gravidez ou até mesmo de uma simples diferença entre um olho e o outro.

Muitas pessoas recorrem a procedimentos cirúrgicos para a solução do problema onde acabam encontrando a solução que procuram.

Quais são as causas da pálpebra caída?

Como relatado acima, as causas da pálpebra caída podem ser diversas. Entre elas podemos encontrar a diabetes, o envelhecimento das células, acidentes cerebrovasculares, síndrome de Horner, ou até mesmo um tumor cerebral que acabe atingindo a região da face.

Podendo variar de uma situação simples para uma situação mais delicada, o caimento das pálpebras pode se dar também devido a variações normais, lesões nervosas que podem ocasionar essa situação. No caso de pessoas que passaram por um AVC e como sequela a pálpebra caiu, é preciso verificar com um médico especialista se há chances de recuperar a forma normal dos olhos.

Solução para as pálpebras caídas

Antes de tudo é importante consultar com um oftalmologista para examinar a área dos seus olhos e verificar antes o que ao certo está se passando.

Mas existem algumas dicas caseiras, de muita utilidade, que podem ser usadas para evitar problemas futuros com suas pálpebras, ajudando a combater o envelhecimento e o caimento precoce. A seguir algumas dicas:

  • Clara de ovo: Aplique a clara de ovo sobre as pálpebras e deixe agir por 15 minutos. Após os 15 minutos lave bem os olhos. O ritual pode ser feito 3 vezes por semana.
  • Pepino: O pepino já é bem conhecido por agir bem nas áreas dos olhos, e para esse problema também não é diferente. Ele possui efeito antioxidante, calmante e até clareador.
  • Batata: Outra dica bem válida é o uso da batata congelada por cima dos olhos. Mas atenção: o tempo de agir é de no máximo 20 minutos. A batata auxilia na retenção do líquido, melhorando o aspecto do olhar.

Ao procurar um médico oftalmologista para tratar o problema, algumas soluções podem ser dadas, por isso, o primeiro e o melhor passo para um resultado eficaz é a ajuda de um profissional de confiança. O bom profissional traz tranquilidade e conforto para seus pacientes. Procure sempre por alguém em quem você confie!

Para a maioria dos casos, a melhor saída é a realização da cirurgia para as pálpebras caídas, porém, é sempre o médico, e somente ele, quem irá determinar o melhor tratamento de acordo com cada caso.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo.

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Entrópio: Você sabe o que é?

Entrópio: Você sabe o que é?

Entrópio, também conhecido como retração palpebral ou retração da pálpebra, é uma doença caracterizada, basicamente, por um processo em que a pálpebra se vira para dentro do olho. Os cílios entram em contato com os olhos e podem causar processos de irritação, inflamação, infecção e até mesmo desgaste na córnea ocular, levando eventualmente a perda parcial ou total da visão.

O problema costuma se manifestar com maior frequência em pessoas acima dos 60 anos de idade. A evolução da doença é extremamente lenta, o que faz com que seu surgimento não seja perceptível nos estágios iniciais. Em nível mais avançado, no entanto, a condição deteriora a qualidade da visão do paciente rapidamente, já que a agressão dos cílios ao globo ocular passa a ser constante.

Causas do Entrópio

A principal causa do entrópio é o enfraquecimento muscular na região das pálpebras, causando uma espécie de afrouxamento que favorece a mudança de posição daquela parte do corpo.

Esse enfraquecimento, por sua vez, pode ser causado por alguns fenômenos, entre eles:

  • A chegada da terceira idade, uma vez que, durante a velhice, a pele se afrouxa naturalmente, graças a perda de colágeno. Isso favorece o desenvolvimento da doença;
  • Uma condição congênita (ou seja, que já nasce junto com a pessoa). Nesse caso, o problema de saúde é descoberto, geralmente, logo após o nascimento do bebê. Esse tipo de manifestação da doença, no entanto, é extremamente raro;
  • Ação de produtos químicos na região dos olhos, que podem interferir na forma e na estrutura dos olhos, ocasionando deformidades na pálpebra;
  • Sequelas pós-cirúrgicas, geralmente após cirurgias que ocorrem na região da face, cabeça ou, obviamente, dos olhos;
  • Herpes que se desenvolve na região dos olhos;
  • Doenças bacterianas raras, como o Tracoma, uma doença que existe apenas em determinadas regiões do continente africano, asiático e no Oriente Médio.

Quais são os sintomas?

O diagnóstico da doença nos estágios iniciais, antes do desenvolvimento da deformidade em si, é difícil porque os primeiros sintomas do problema são muito genéricos.

Os sintomas são:

  • Olhos lacrimejando sem motivos ou excessivamente;
  • Infecções sucessivas e frequentes na região afetada;
  • Vermelhidão;
  • Aparição de sinais ou cicatrizes na pálpebra atingida;
  • Perda progressiva de visão;
  • Coceira, em alguns casos.

Depois que a doença atinge determinado estágio, a deformidade da pálpebra se torna perceptível e, assim, o diagnóstico fica mais fácil. O profissional de saúde mais indicado para atender um caso da doença e ministrar o tratamento adequado é o oftalmologista.

Tratamento

Quando a doença ainda está nos primeiros estágios de desenvolvimento da deformidade, é possível que o médico opte por um tratamento simples, em que a pálpebra afetada é presa, voltada para o lado certo, algumas horas por dia. Essa dinâmica faz com que, a longo prazo, a região afetada volte ao normal.

Alguns oftalmologistas também podem recomendar o tratamento com injeções de Botox, que também têm a função de fixar a pálpebra na direção certa.

Na maior parte dos casos, o tratamento mais indicado é a cirurgia. O procedimento é simples e pode ser realizado dentro do próprio consultório. A anestesia é local e o pós-operatório relativamente simples.

Quer saber mais sobre entrópio? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo.

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos, 0 comments
Blefarite – Sintomas, causas e tratamento

Blefarite – Sintomas, causas e tratamento

A blefarite nada mais é do que uma inflamação na pálpebra que causa vermelhidão, coceira e irritação na região. A doença, apesar de não ser grave, é recorrente e nada confortável e afeta homens e mulheres de todas as idades.

A blefarite pode se manifestar de duas diferentes formas:

  1. Anterior: quando afeta a borda da frente da pálpebra, ou seja, a região onde ocorre a ligação dos cílios;
  2. Posterior: quando ocorre na parte de dentro da pálpebra, entrando em contato direto com o globo ocular.

A seguir, confira mais sobre seus sintomas, causas e tratamentos.

Sintomas da Blefarite

Os principais sintomas de inflamação nas pálpebras são os seguintes:

  • Sensação de queimação ou de que há areia no interior dos olhos;
  • Vermelhidão, lacrimejamento constante e irritação nos olhos;
  • Pálpebras inchadas e vermelhas;
  • Necessidade de piscar com maior frequência (a ponto de incomodar);
  • Sensação de oleosidade nas pálpebras;
  • Maior sensibilidade ao contato com o sol ou com luz;
  • Descamação da pele nas proximidades dos olhos;
  • Cílios constantemente grudados (principalmente na hora de acordar);
  • Perda de cílios e/ou crescimento anormal dos mesmos.

Causas da inflamação

A inflamação da pálpebra não conta com causas específicas e claras. Porém, sabe-se que ela ocorre quando as glândulas que ficam mais próximas da base dos cílios deixam de funcionar corretamente, o que resulta em irritação, vermelhidão e coceira na pálpebra.

Algumas condições de saúde e doenças também podem elevar as chances de desenvolvimento de blefarite, como é o caso de dermatite seborreica (caspa na sobrancelha e couro cabeludo), rosácea (vermelhidão no rosto), infecções bacterianas, medicação para acne, piolhos ou ácaros de cílios e alergias em geral.

A blefarite anterior costuma ser causada por caspas nas sobrancelhas ou cílios e por bactérias; enquanto a posterior costuma estar ligada a doenças de pele (como a rosácea) ou problemas relacionados ao mau funcionamento de glândulas sebáceas nos arredores dos olhos.

Como é o tratamento para blefarite?

Felizmente a blefarite é uma condição que pode ser fácil e rapidamente tratada por meio de:

  • Aplicação de pomadas específicas para conter a inflamação no interior dos olhos e pálpebras;
  • Aplicação de pomadas antibióticas caso haja infecção bacteriana (em alguns casos, o médico responsável pode prescrever também antibióticos para consumo oral);
  • Limpeza regular da área afetada com soluções compostas por shampoo de bebê e água morna;
  • Uso de lubrificantes oculares ou lágrimas artificiais, geralmente indicado em casos de olhos secos;
  • Tratamento de demais condições que podem ter levado ao desenvolvimento da blefarite, como é o caso da caspa ou rosácea, por exemplo.

Evitar o uso de maquiagem e lentes de contato, lavar bem os olhos e pálpebras e aplicar compressa na região, por sua vez, são passos que podem aliviar os sintomas antes da consulta.

Agora você já conhece um pouco mais sobre a blefarite, assim como suas causas, sintomas e tratamento. Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo.

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos, 2 comments
Tudo o que você precisa saber sobre plástica ocular

Tudo o que você precisa saber sobre plástica ocular

A plástica ocular, também denominada oculoplástica, é um procedimento realizado com duas finalidades: restauração e estética. A plástica ocular restauradora é indicada após tratamentos de tumores, afecções nas pálpebras e outras doenças que afetam o globo ocular, os anexos (pálpebras, cílios e supercílios) e as vias lacrimais.

 

A plástica ocular estética, por sua vez, é recomendada para a remoção de bolsas de gordura que se instalam nas pálpebras; a retirada do excesso de pele e a correção anatômica.

Problemas que afetam a estrutura ocular

Conheça alguns dos principais problemas que podem afetar a região dos olhos:

 

  • Blefaroespasmo: é a contração involuntária muscular e das pálpebras, que pode levar à perda da visão se não for tratada.
  • Tumores nas pálpebras: podem ser benignos ou malignos.
  • Calázio: é uma lesão causada pela inflamação da glândula sebácea que afeta as pálpebras.
  • Terçol: infecção bacteriana na glândula sebácea perto dos cílios.
  • Blefarite: trata-se do processo inflamatório que se dá nas camadas mais gordurosas das pálpebras.
  • Ptose palpebral: consiste na margem da pálpebra superior caída, de origem congênita ou derivada de doenças sistêmicas.
  • Entrópico e ectrópico: alteração anatômica da margem da pálpebra, para fora (ectrópico) ou para dentro (entrópico).

Indicações de plástica ocular

 

A blefaroplastia é a cirurgia plástica das pálpebras que tem como objetivo remover bolsas de gordura que se formam nas pálpebras (inferiores e superiores); retirar o excesso de pele das pálpebras superiores e a correção de pálpebras caídas. A plástica ocular estética proporciona o rejuvenescimento da região dos olhos, o que contribui para uma melhoria geral na fisionomia da pessoa.

 

A blefaroplastia também é indicada para resolver o problema de pálpebras caídas (ptose palpebral)  e corrigir a anatomia da borda das pálpebras (ectrópico e entrópico). A cirurgia reconstrutiva das pálpebras também é necessária após a retirada de tumores.

 

Outra indicação da plástica ocular se dá em casos de descompressão da órbita. Neste procedimento, o cirurgião remove o excesso de gordura e aumenta as paredes da órbita, possibilitando uma melhor acomodação do globo ocular. É uma cirurgia que não deixa cicatrizes aparentes e apresenta baixo risco durante e no pós-operatório, quando realizada por especialista.

 

Outro processo importante é a prótese ocular, realizado para preencher a órbita ocular após a evisceração (retirada do conteúdo intraocular ou toda a órbita) ou enucleação (retirada do globo ocular).

 

É importante salientar que a plástica ocular estética não resolve outros tipos de problemas estéticos na região dos olhos, tais como os pés-de-galinha e as rugas. Por esta razão, durante a cirurgia das pálpebras, é possível realizar outros procedimentos estéticos como preenchimento, aplicação de toxina botulínica (botox), lifting, dentre outros.

 

Como a plástica ocular envolve uma das áreas mais sensíveis da face, os olhos, é extremamente importante que os procedimentos sejam feitos por um oftalmologista especializado em oculoplástica, devidamente regulamentado e reconhecido no mercado pela experiência em plástica ocular.

 

Procedimentos inadequados podem piorar o aspecto da face, exigindo a realização de uma nova cirurgia plástica, ou comprometer a visão. Por esta razão, é essencial buscar clínicas bem estruturadas com profissionais altamente qualificados para realizar plástica ocular!

E então, o que achou da leitura do artigo? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
O que é Plástica Ocular?

O que é Plástica Ocular?

A visão, por ser um sentido tão essencial para a percepção do mundo ao redor, deve receber os devidos cuidados para que se evite qualquer tipo de transtorno. Nesse contexto, entra em cena a Plástica Ocular, uma área específica da oftalmologia que tem por intuito prestar cuidado às pálpebras e vias lacrimais..

 

A especialidade é de grande importância não apenas por evitar transtornos nessas regiões dos olhos, mas também porque atua na correção estética das mesmas.

A atuação da Plástica Ocular

A Plástica Ocular tem por intuito sanar casos de tumores, posicionamento inadequado das pálpebras, dificuldade para abrir ou fechar os olhos e desobstrução das vias lacrimais, além de cirurgia de rejuvenescimento das pálpebras e aplicação de toxina botulínica.

 

Vale destacar que o cuidado com as pálpebras (e demais regiões ao redor dos olhos) é de extrema relevância, uma vez que elas têm a importante função de assegurar a lubrificação dos olhos, bem como protegê-los das partículas de poeira e demais agentes externos que podem acarretar problemas.

 

Você sabia que sem a proteção das pálpebras o olho perfura? Além de proteger, elas são a moldura dos olhos, tendo um papel importante na estética. Queremos aproveitar as belezas que a visão nos proporciona, e também ter uma moldura bonita, não é mesmo?

Pálpebras: conheça os principais problemas

 

Dentre os transtornos que podem surgir nessa região, pode-se citar a queda de uma ou até  mesmo duas das pálpebras. Esse transtorno (geralmente ocasionado por trauma ou envelhecimento)  é conhecido pelo nome de Ptose Palpebral Adquirida. Há também a Ptose Palpebral Congênita, que pode trazer problemas para a autoestima da criança, bullying e, em determinados casos mais graves, até mesmo causar deficiência visual por obstrução da visão ou indução de grau.

 

Esses transtornos de Ptose Palpebral podem ser corrigidos por meio da Cirurgia Plástica Ocular, realizável tanto em adultos quanto em crianças.

 

Além da correção da Ptose Palpebral, a Plástica Ocular também envolve procedimentos cirúrgicos como a  Blefaroplastia, que consiste na retirada do excesso de pele e gordura nas pálpebras inferiores e superiores (proporcionando um visual mais rejuvenescido).

 

Outra atuação importante desse ramo da oftalmologia é a desobstrução das vias lacrimais. A obstrução ou entupimento de tais vias pode ser de caráter congênito ou adquirido. É válido salientar que vias lacrimais obstruídas podem ocasionar um problema chamado “dacriocistite”. Sendo assim, a intervenção cirúrgica para reparar o referido problema se faz bastante importante!

 

Por fim, podemos constatar que a Plástica Ocular promove uma visão mais saudável e eficaz para o paciente, assim como atua na melhoria estética da região dos olhos.

E então, o que achou das informações? Já conhecia a área da Oculoplástica e seus segmentos de atuação? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Tudo o que você precisa saber sobre cirurgia de pálpebras

Tudo o que você precisa saber sobre cirurgia de pálpebras

Na medida em que envelhecemos, os sinais de idade aparecem. Nesse sentido, uma das partes do corpo que mais denuncia o envelhecimento é a região dos olhos, e em especial as pálpebras. Isso porque a pele dessa parte do corpo é extremamente fina, sensível e de difícil rejuvenescimento.

 

O incômodo estético pode ser solucionado pela chamada blefaroplastia ou cirurgia das pálpebras, que também visa corrigir possíveis complicações na saúde dos olhos.  

Sobre o procedimento

 

A blefaroplastia pode ser realizada nas pálpebras superiores e/ou inferiores, a depender da necessidade do paciente. O principal motivador para esta cirurgia é estético –  afinal, todo o cansaço do tempo e as marcas relativas ao uso de cigarro e bebidas são denunciados pelas pálpebras.

 

O procedimento, entretanto, não é apenas estético: o processo  de envelhecimento e o consumo de substâncias como álcool e cigarro em excesso também acarreta problemas de ordem oftalmológica. Uma sobrecarga de peso sobre os olhos, dentre outras coisas, faz com que o indivíduo force o músculo da região para enxergar melhor, e isso resultará em problemas futuros.

 

Em geral, a cirurgia das pálpebras é bastante simples e não tão dolorida como outros procedimentos estéticos. A blefaroplastia superior tem como principal objetivo remover o excesso de pele e as bolsas de gordura que se formam na região dos olhos. A blefaroplastia inferior, por sua vez, é um procedimento mais técnico e que requer maior cuidado por parte da equipe médica (principalmente porque opera em um local muito próximo ao globo ocular). Esta cirurgia pode ser realizada com anestesia local ou por sedação.

Para quem a cirurgia de pálpebras é indicada?

Não existe uma idade certa para quem busca este tipo de procedimento. É claro que, por ser uma região que denuncia o envelhecimento, é mais procurada por pessoas acima dos 50 anos. Mas não são apenas as marcas de expressão decorrentes da idade que vão trazer problema na região das pálpebras. Há também a questão genética que se reflete em marcas de expressão e doenças – neste caso, a cirurgia pode ser feita por pessoas bem mais jovens, já acima dos 25 anos.

 

A cicatrização e o pós-operatório

O processo de cicatrização é bastante simples. Como o corte realizado durante a cirurgia ocorre na dobra natural dos olhos, a cicatriz resultante é muito discreta e quase imperceptível. As marcas da operação, inclusive, desaparecem por completo já no primeiro ano, desde que o paciente realize os cuidados adequados e siga as recomendações médicas.

 

Aliás, pode-se dizer que o pós-operatório é bastante tranquilo e não requer grandes cuidados extras. Este procedimento cirúrgico não causa muitas dores, mas gera um inchaço natural e hematomas que somem após cerca de uma semana. É aconselhável que o paciente aplique gelo na área e permaneça em repouso.

 

Caso você decida fazer esta cirurgia após a avaliação médica, saiba que é um procedimento muito simples e de rápida recuperação. Busque informações, saiba quem é o médico que o fará e entenda o que vai ser feito. Com o apoio de um profissional capacitado e experiente, os resultados têm tudo para ser excelentes!

E então, o que achou da leitura do artigo? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
O que é blefaroplastia?

O que é blefaroplastia?

A blefaroplastia é uma cirurgia plástica realizada na região dos olhos. Sua principal finalidade, assim, é levantar as pálpebras e eliminar as bolsas de gordura que se acumulam nas pálpebras inferiores. Além disso, o procedimento garante um aspecto mais jovem ao olhar – como também elimina rugas e flacidez, promove grandes melhorias na aparência do rosto.

Quando a blefaroplastia é recomendada?

 

Conheça os casos em que a cirurgia palpebral é indicada pelos especialistas (e tem ótimos resultados!):

Excesso de pele ou flacidez nas pálpebras

 

Com o passar do tempo, a pele começa a perder parte da sua elasticidade, o que pode acarretar em flacidez, principalmente na área dos olhos, onde a pele é mais fina. Além disso, é comum que muitas pessoas também sofram com o excesso de pele nas pálpebras, que ficam com um aspecto “caído”. Para ambos os casos, a blefaroplastia é indicada e pode ser a solução do problema.

Bolsas de gordura nas pálpebras inferiores

 

Outro problema que acomete e incomoda inúmeras pessoas são as bolsas de gordura, que se acumulam nas pálpebras inferiores e dão a impressão de que os olhos estão sempre  inchados. Para esses casos, a blefaroplastia também é indicada, pois ela elimina toda a camada de gordura, promovendo um olhar mais aberto e mais “lisinho”.

Casos de ptose ou pseudoptose palpebral

 

Já ouviu falar nesses problemas? A ptose se refere à queda das pálpebras devido a causas musculares, isto é, quando o músculo perde a sua força para se sustentar sozinho. Por sua vez, a pseudoptose palpebral corresponde à queda das pálpebras por excesso de pele. Nos dois casos, a blefaroplastia é recomendada, uma vez que levanta e sustenta as pálpebras, fazendo com que retornem às suas características normais.

Xantelasmas

 

As xantelasmas são pequenas protuberâncias (espécie de “bolinhas”) que se formam nas pálpebras por conta do colesterol. Nestes casos, a blefaroplastia também é a solução para o problema, eliminando, de forma adequada, esse incômodo que pesa o olhar.

Rugas

 

Com o passar dos anos, as primeiras rugas começam a aparecer. Como a região dos olhos tem a pele mais fina, é a área que mais fica enrugada. Mais uma vez, a blefaroplastia pode entrar em cena para minimizar e/ou eliminar as marcas de expressão, possibilitando um aspecto mais jovem.

Procedimentos da blefaroplastia

Para a realização da cirurgia de blefaroplastia, é dada a anestesia local com sedativo ou a anestesia geral. Primeiro, o médico faz a marcação de todo o excesso de pele que deverá ser retirado e, em seguida, realiza o corte com um bisturi. Posteriormente, ele utiliza um bisturi elétrico para cauterizar a região e então finaliza com os pontos. O tipo dos pontos fica a critério do cirurgião, que pode optar tanto pelos pontos que se extraem do corpo naturalmente (chamados de absorvíveis) ou pelos pontos removíveis, que são retirados pelo próprio médico.

 

Os cuidados antes da cirurgia incluem suspender todos os medicamentos anticoagulantes e realizar todos os exames de sangue, tais como hemograma e coagulograma. Para quem fuma, é importante deixar o cigarro de lado por, pelo menos, um mês antes e até dois meses depois do procedimento.

 

No pós-operatório, recomenda-se o repouso de uma semana para a melhor cicatrização dos pontos, além de cuidados importantes para proteger os olhos do sol e de outros fatores que possam prejudicar a recuperação.

E você, gostou do conteúdo? Gostaria de saber mais sobre alguma questão que não foi abordada? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Entupimento da via lacrimal: conheça mais sobre o problema

Entupimento da via lacrimal: conheça mais sobre o problema

Você sabia que a função da lágrima é hidratar os olhos e protegê-los contra agentes contaminantes? Em situação normal, a lágrima é drenada por canais que a encaminham até o saco lacrimal. Do saco lacrimal, as lágrimas escoam por outro canal até a cavidade do nariz.

 

Ou seja, fazendo o “trajeto certo”, a lágrima não escorre pela face. Quando o canal responsável pela drenagem das lágrimas até o nariz está obstruído, ocorre a dacrioestenose, resultando em via lacrimal entupida.

 

Vale dizer que a obstrução do canal lacrimal provoca o lacrimejamento constante. Quando o canal não está totalmente aberto, os olhos lacrimejam e apresentam secreção semelhante à da conjuntivite. Porém, ao contrário dos olhos acometidos pela conjuntivite, a vermelhidão não aparece em caso de via lacrimal entupida. Nessa situação, a aparência dos olhos é relativamente normal, exceto pelo referido lacrimejamento constante. Quando existe infecção, pode surgir um cisto no canto dos olhos, perto do nariz.

Causas da via lacrimal entupida

 

O entupimento das vias lacrimais ocorre devido a falhas no sistema lacrimonasal ou a traumas que tenham afetado o nariz. Na maior parte dos casos, o lacrimejamento decorrente de via lacrimal entupida manifesta-se em apenas um dos olhos. Em recém-nascidos, esse bloqueio do canal lacrimal costuma desaparecer entre seis meses a um ano de idade.

 

Para diagnosticar o entupimento do canal, o médico faz um exame chamado dacriocistografia. Nele, uma substância denominada “contraste” é injetada nas vias lacrimais para confirmar o local obstruído, além de radiografia. A partir daí, o médico define como será feito o tratamento.

Tratamento da via lacrimal entupida

 

O primeiro passo é tentar resolver o problema sem a intervenção cirúrgica. Para remover a secreção, é necessário fazer massagens na área nasal, onde se localiza o saco lacrimal. Se houver algum tipo de infecção, o médico poderá prescrever um colírio com antibiótico.

 

É importante frisar que nenhum colírio deve ser aplicado sem prescrição médica, pois o uso de medicação imprópria pode causar o desenvolvimento de outras doenças oculares como a catarata e o glaucoma.  

 

Já os bebês que apresentam obstrução lacrimal demandam uma outra abordagem. A partir do oitavo mês de vida, eles podem ser submetidos a outros dois processos, sendo um deles a entubação das vias lacrimais. Se o procedimento não resolver o problema (o que é raro), será necessária uma cirurgia para a desobstrução das vias lacrimais. Em crianças, há a necessidade de anestesia geral. Já adultos podem fazer a operação com anestesia local.

Complicações do entupimento das vias lacrimais

 

O lacrimejamento pode infeccionar o saco lacrimal, resultando em um cisto entre o nariz e o olho e obstrução do canal lacrimal. Este problema é denominado dacriocistite aguda. O tratamento, estabelecido pelo oftalmologista, envolve o uso de medicação antibiótica e analgésica. Se o estado do paciente for grave, será necessário interná-lo para a aplicação de medicação endovenosa e, posteriormente, a cirurgia para resolver o problema de entupimento das vias lacrimais. No procedimento, o médico cria um outro canal para drenar as lágrimas do saco lacrimal para o nariz.

E então, o que achou das informações do artigo? Gostaria de saber mais sobre algum tópico que não foi abordado acima? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Cirurgia plástica palpebral: entenda tudo sobre o procedimento

Cirurgia plástica palpebral: entenda tudo sobre o procedimento

O envelhecimento faz parte da vida. Mas, com os avanços da medicina e dos tratamentos estéticos, é possível melhorar a aparência. Um desses procedimentos é a cirurgia das pálpebras, indicada para remodelar a anatomia desta parte dos olhos.

 

A cirurgia plástica palpebral, denominada blefaroplastia, é realizada com a finalidade de melhorar a aparência das pálpebras superiores e inferiores. O resultado é uma aparência mais jovial e vivaz.

 

A cirurgia plástica palpebral é indicada para resolver os seguintes problemas:

 

  • Remover o excesso de gordura depositada na pálpebra superior, que deixa a pessoa com aparência de olhos inchados;
  • Retirar a pele flácida, que pode formar dobras na pálpebra superior, prejudicando a visão;
  • Eliminar rugas e o excesso de pele nas pálpebras inferiores;
  • Remover as bolsas que se formam sob as pálpebras inferiores;
  • Desenhar um novo contorno para as pálpebras.

Procedimentos para realizar a cirurgia plástica palpebral

 

A cirurgia das pálpebras não é um procedimento cirúrgico demorado; a maioria dos pacientes pode ir para casa no mesmo dia. Tudo depende do tipo de anestesia utilizada e do sucesso da operação.

 

Confira os principais cuidados e procedimentos envolvidos na realização da blefaroplastia:

Anestesia

 

O médico definirá qual é a mais adequada para o paciente, se uma anestesia geral ou uma sedação intravenosa.

Incisões

 

Anteriormente, o especialista faz um planejamento da cirurgia para que as cicatrizes fiquem imperceptíveis ao olho nu. O fechamento é realizado com suturas que serão absorvidas pela pele ou com suturas que precisam ser retiradas após a cicatrização. Outra opção é o uso do adesivo de pele.

 

Outros procedimentos extras

Para eliminar o escurecimento das pálpebras inferiores, o médico cirurgião poderá realizar também o peeling químico ou a laser. A aplicação de botox e o lifting são outras opções para melhorar ainda mais a fisionomia na área dos olhos.

Pós-operatório

 

O uso de gazes, compressas frias e pomada lubrificante na região operada são algumas recomendações para a fase de recuperação. Hematomas e inchaço são normais e desaparecem em cerca de  duas semanas.

Resultado final

Após o desaparecimento dos hematomas e inchaços, será possível avaliar o resultado final da cirurgia plástica palpebral. Em geral, somente após seis meses é possível concluir se o procedimento de fato alcançou seu objetivo.

Recomendações após a cirurgia plástica palpebral

 

  • Não se expor aos raios ultravioletas;
  • Usar protetor solar e óculos escuros;
  • Dormir de barriga para cima até a cicatrização completa;
  • Não usar maquiagem nos olhos.

 

Após a cirurgia plástica palpebral, o paciente poderá voltar à sua vida normal em pouco tempo. Cada organismo reage de uma forma diferente, mas a maioria dos pacientes já consegue voltar à rotina após 15 dias.

 

Pessoas que usam lentes de contatos só devem utilizá-las novamente quando o médico liberar. Além disso, na fase de recuperação, o paciente não deve ingerir bebida alcoólica, fazer atividades físicas de alto impacto ou movimentos que possam provocar o aumento de pressão ocular. A cirurgia plástica palpebral, como qualquer outra intervenção cirúrgica, só deve ser feita por cirurgião plástico devidamente regulamentado!

E você, gostou das informações sobre a cirurgia plástica palpebral? Tem interesse em realizar o procedimento?  Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Cirurgia de catarata: o que você precisa saber?

Cirurgia de catarata: o que você precisa saber?

As cirurgias oftalmológicas têm evoluído bastante e por isso podem ser a solução ideal e definitiva para os mais diversos tipos de problemas oculares. Elas podem ser realizadas através de laser ou por outros métodos e, na maioria das vezes, o paciente recebe alta no mesmo dia, sem complicações.

As intervenções cirúrgicas existem com o objetivo de garantir a resolução total do problema e devolver a capacidade de visão plena ao paciente. A seguir, saiba tudo sobre as cirurgias oftalmológicas!

Como são realizadas as cirurgias de catarata?

Cada cirurgia oftalmológica é diferente e possui técnicas e formas que podem ser aplicadas, sempre procurando o máximo de precisão e a diminuição dos riscos.

O procedimento cirúrgico mais comum e procurado por pacientes nos dias de hoje é para tratar os problemas de catarata. A cirurgia é realizada com total segurança, utilizando sempre as últimas tecnologias e equipamentos modernos voltados à oftalmologia.

A catarata é um dos problemas mais comuns encontrados em pacientes que perderam a visão. Nela, o cristalino do olho, que é uma lente localizada na parte interna, atrás da íris, vai ficando opaco com o passar do tempo, dificultando a visão. Atualmente não existem formas de tratar o problema apenas com colírios ou acompanhamento médico, somente por meio de intervenção cirúrgica.

Nesta cirurgia, são realizadas micro-incisões  na córnea,  e a catarata é retirada através da pupila e implanta-se uma lente dentro do olho, devolvendo a capacidade de receber os raios de luz, que são transformados em imagem. Desta forma, o paciente enxergará melhor  novamente . Antes do procedimento todo paciente deverá passar por uma avaliação completa, avaliando a saúde dos olhos como um todo.

Quem pode se submeter à cirurgia de catarata?

A operação de catarata, assim como qualquer outro procedimento cirúrgico oftalmológico, pode ser realizada em qualquer paciente que esteja apto e com a saúde em dia.  Após o diagnóstico de catarata, uma dúvida muito comum é: “quando devo operar?”. A cirurgia deve ser realizada quando a dificuldade visual atrapalha as atividades diárias, que varia de pessoa para pessoa. Alguns exemplos são embaçamento ao ver televisão, dificuldade para dirigir à noite (principalmente quando vem um carro no sentido oposto com farol ligado) e dificuldade para enxergar em locais menos iluminados. Por isso, o ideal é que o paciente procure  um profissional especializado, que oferecerá o tratamento mais indicado para o  seu caso específico.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos