Todos

Como evitar que a maquiagem prejudique a sua visão

Como evitar que a maquiagem prejudique a sua visão

Imagine a seguinte rotina: você acorda cedo e, antes de sair de casa, passa a maquiagem para dar uma valorizada no visual. Então, você enfrenta uma maratona no trabalho e nos estudos e só chega em casa no fim do dia. O cansaço é tão grande que você resolve dormir de maquiagem mesmo, para poder descansar mais.

Sentiu-se representada? Este é o dia a dia de muitas mulheres. No entanto, só neste exemplo há um grande perigo para a saúde dos seus olhos: dormir maquiada. Muito se fala dos perigos que a maquiagem pode trazer para a pele, mas ela também pode afetar a sua visão, se usada de maneira incorreta.

Cuidados necessários

Evite dormir de maquiagem

O exemplo de dormir de maquiagem é o mais básico deles. Isso pode fazer com que a maquiagem entre nos olhos durante a noite, criando aquela famosa – mas nada agradável – sensação de areia.

Ademais, as chances de contrair conjuntivite também aumentam. Portanto, faça um esforço para sempre limpar a maquiagem ao final do dia – assim, você evita acordar com aqueles assustadores olhos borrados e ainda contrair doenças.

Atenção para a data de validade

Quando o assunto é maquiagem, não é só a vaidade que importa, mas também a validade. Sabe aquele lápis de olho ou aquele rímel que estão guardados no seu estojo há anos? Fique atenta, pois eles não apenas perdem a eficácia, como também carregam bactérias que podem causar conjuntivite, além de provocar coceira e vermelhidão.

Obviamente, a própria qualidade do produto também precisa ser levada em consideração. Fique atento à formulação, já que algum componente alérgeno pode desencadear irritações. Dê preferência para marcas mais conhecidas, evitando produtos de procedência duvidosa.

Maquiagem compartilhada pode?

Entre os cuidados necessários, existe um que acaba passando despercebido: sabe aquele costume de compartilhar batons, sombras e lápis de olho? Pois bem, isso definitivamente não é recomendado – nem mesmo com pessoas da sua família.

Isso pode contribuir para a transmissão de doenças, como conjuntivite e herpes. As maquiagens de provador são ainda mais perigosas, diga-se de passagem.

Lápis de olho e rímel

Falando em lápis de olho, muito cuidado ao fazer a maquiagem nesta região. O importante é não exagerar. O excesso pode inflamar as glândulas das pálpebras do olho. Essas glândulas são responsáveis pela secreção de gordura que ajuda na composição da lágrima, o que pode provocar sintomas de disfunção lacrimal, a popular síndrome do olho seco.

Quanto ao rímel, escolha um produto à base de água e hipoalergênico, e retire-o antes de dormir para evitar traumatismo na córnea.

Lentes de contato

Se você usa lentes de contato, é importante colocá-las antes de passar a maquiagem – e, se possível, espere uns cinco ou dez minutos antes disso. Este cuidado é para evitar que caia algum resíduo entre a lente e a córnea.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Como corrigir a presbiopia

Como corrigir a presbiopia

Também conhecida como “vista cansada”, a presbiopia é uma doença no olho que dificulta visualizar objetos que estão próximos à pessoa. Ela acontece por conta do desgaste natural dos olhos humanos.

Todos nós, com o tempo, sofremos com a perda da elasticidade do cristalino. Com isso, enxergar com nitidez fica mais difícil. Porém, esse é um problema comum, que atinge a maioria da população.

Por isso a importância de ir ao oftalmologista anualmente, principalmente após os 40 anos. Assim, se a presbiopia for diagnosticada, ela pode ser tratada facilmente com a ajuda do especialista.

Quais os sintomas?

Pessoas com esse problema apresentam sintomas, como:

  • Não conseguir focar objetos próximos;
  • Não conseguir ler de perto, afastando o objeto para distâncias não usuais para leitura;
  • Dor de cabeça;
  • Sentir o olho cansado;
  • Sensação de ardor nos olhos após leituras;
  • Sentir a pálpebra pesada;

Lembre-se, somente um oftalmologista pode diagnosticar qual realmente é o problema, então, caso esteja com algum desses sintomas, vá ao médico especialista.

É possível corrigir a presbiopia?

A presbiopia é a evolução natural dos olhos. No entanto, existem tratamentos que ajudam a controlá-la e que auxiliam de forma positiva no dia a dia do paciente.

A forma mais comum de tratamento, que ajuda a compensar a falha na visão, é o uso de óculos ou lentes, que podem ser somente para perto, bifocais ou multifocais. Quem decide exatamente qual o modelo mais adequado é o médico, juntamente com o paciente.

Existem algumas lentes modernas, que se adaptam a cada olho. Esses podem vir até mesmo com filtros, iguais aos de óculos de sol, que bloqueiam os raios ultravioletas. Mesmo óculos com lentes transparentes podem ter o tratamento para proteção ultra-violeta.

Porém, levando em consideração que não se pode usar lentes de contato o tempo inteiro, o uso dos óculos continua indispensável para aqueles que sofrem com esse tipo de problema.

Existe também a cirurgia. Apesar de ser um método ortodoxo, algumas pessoas escolhem a prática. Ela é feita a laser e o objetivo é modificar a curvatura da córnea. Mas, como citado anteriormente, este não é um método popular para pacientes que já apresentam presbiopia. Converse com o seu médico sobre essa opção.

E outra opção de cirurgia é para pessoas que apresentam catarata. Com a evolução das lentes intra-oculares, já é possível corrigir a presbiopia.

Como prevenir a doença

A presbiopia é natural quando falamos do envelhecimento do olho. Sendo assim, não há maneiras eficazes de preveni-la. Porém, o aparecimento pode ser retardado com algumas medidas, sendo elas:

  • Ir ao oftalmologista periodicamente;
  • Evitar ler textos que tenham fontes muito pequenas;
  • Fazer pausas ao usar dispositivos eletrônicos;
  • Não usar óculos de leitura sem saber o grau necessário. Usar grau mais forte que o necessário pode acelerar a presbiopia.

Qual a causa da doença?

Além da idade, que é inevitável, problemas no próprio olho, como a redução na capacidade de transmissão da luz, também podem causar a presbiopia.

O ideal é marcar uma consulta com o oftalmologista pelos menos uma vez ao ano, principalmente depois dos 40 anos, para checar se a presbiopia está se formando e analisar o que pode ser feito para manter a visão boa e confortável.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Blefaroplastia a laser: como é feita?

Blefaroplastia a laser: como é feita?

Você sabia que um dos procedimentos estéticos mais executados no Brasil é a blefaroplastia a laser? Mas o que exatamente é essa cirurgia e por que ela é tão procurada pela população? A blefaroplastia é realizada nos olhos e serve para corrigir esteticamente as pálpebras.

Ela elimina sinais de envelhecimento como flacidez, excesso de pele e bolsas de gordura, sendo, assim, muito procurada por homens e mulheres acima dos 35 anos.

Além disso, o procedimento corrige a deslocação da glândula lacrimal (quando presente) e o reposicionamento dos músculos. 

Como a blefaroplastia a laser funciona?

O paciente primeiramente irá receber a anestesia local, assim como um colírio anestésico (sendo este último deixado a critério do cirurgião). Após a fase de anestesia, os excessos de pele e gordura são retirados ou reposicionados ao longo das pálpebras. 

Durante as incisões, feitas a laser, os vasos sanguíneos são coagulados. Com isso, a recuperação é mais rápida.

Além disso, os resultados proporcionados são os mesmos que os da cirurgia convencional e, durante o pós-operatório, o paciente não manifesta tantos sintomas de inflamação ou de hematomas.

Todos podem fazer esse procedimento cirúrgico?

Como qualquer outro procedimento cirúrgico, a blefaroplastia também tem contraindicações. Não é indicada:

  • para mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • para pessoas que sofrem com síndrome dos olhos secos;
  • quando há algum tipo de infecção local;
  • quando há mutações no sistema imunológico;
  • quando há alteração da coagulação do sangue.

Como é o processo de recuperação?

A retirada dos pontos pode ser feita entre o 5º e o 7º dia após a realização da cirurgia. Por conta do laser, os locais cauterizados demoram um pouco mais para cicatrizarem. Já os resultados podem ser percebidos 3 meses após o procedimento.

Vale ressaltar que esse tipo de cirurgia apresenta riscos, por isso a importância de sempre buscar a opinião de um profissional experiente e respeitado nesse meio, que coloque em 1º lugar seu o bem-estar e a saúde do paciente.

Um oftalmologista será capaz de apresentar todos os riscos, os prós e contras da cirurgia nas pálpebras. Além disso, o especialista versado aumenta a garantia de que os resultados que você espera serão alcançados de maneira eficiente e segura.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Como saber se seu filho tem problemas de visão?

Como saber se seu filho tem problemas de visão?

Os problemas de visão são consideravelmente comuns, principalmente na idade escolar – quando a vista é mais forçada para atividades que exigem concentração da criança.

A questão é que, se não identificados e tratados, esses problemas podem se agravar, podendo afetar o aprendizado, a personalidade, o comportamento e a própria adaptação ao ambiente escolar. A depender da doença, ela pode, ainda, influenciar a participação da criança em esportes, instrumentos ou simples brincadeiras.

Assim, conclui-se que a boa visão é fundamental para que a criança se desenvolva na escola e demais atividades em que participa. É nessa fase que surge o questionamento: como identificar que o meu filho está com problema de visão, se ele nunca falou nada a respeito? Para responder a essa questão, comum entre os pais, leia este artigo.

Sintomas

Entre os sinais indicativos de que a criança está com algum problema de vista, podem-se destacar:

  • Aproximar-se demais das coisas. A criança com problema de visão lê livros ou assiste à televisão aproximando-se o quanto possível. Atente nesse sinal, que certamente será um dos mais expressivos.
  • Estar sempre com os olhos lacrimejando ou ter alta sensibilidade a ambientes muito iluminados.
  • Inclinar o pescoço e a cabeça ou fechar levemente os olhos para tentar enxergar algo melhor.
  • Não conseguir manter a leitura sem usar um dedo como guia, perdendo-se facilmente sem esse apoio.
  • Coçar os olhos. É claro que alguns agentes e alguns tipos de alergia podem implicar a vontade de coçar os olhos. Mas, se a criança faz isso em excesso, sem causas aparentes, o recomendado é investigar.
  • Manter alguns hábitos com um dos olhos sempre fechados, como para assistir à TV, ler um livro ou usar o celular/tablet.
  • Reclamar de cansaço nos olhos ou dor de cabeça frequente.
  • Evitar o hábito de jogar ou assistir a algo no celular, tablet ou computador porque olhos ou a cabeça doem.
  • Evitar fazer qualquer atividade, no geral, que envolva a visão, seja de perto ou a longa distância.
  • Recusar-se a participar de determinadas atividades escolares.
  • Receber reclamações ou notas mais baixas na escola.

Ocorrendo um ou mais desses sinais, deve-se levar a criança a uma consulta com um médico oftalmologista, que poderá identificar a origem da condição e seguir com o tratamento mais adequado.

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Ardência nos olhos, o que pode ser?

Ardência nos olhos, o que pode ser?

A ardência nos olhos é um sintoma bastante incômodo que pode estar relacionado a diversos problemas oculares. Desde uma redução na lubrificação natural dos olhos, até uma conjuntivite pode produzir esse desconforto.

Algumas vezes, a ardência desaparece rapidamente e logo tudo volta ao normal. Ainda assim, é preciso ficar atento a outros sintomas que aparecem em conjunto e marcar uma consulta com o oftalmologista o quanto antes, como forma de prevenção.

Descubra agora algumas situações que têm como sintoma a ardência nos olhos.

Muito tempo em frente ao computador ou televisão

O ato de piscar é a forma que os olhos têm de se manterem lubrificados. Quando se passa muito tempo em frente ao computador ou televisão, a tendência é piscar um pouco menos, pois ambas as atividades exigem mais atenção e uso da visão.

A ardência aparece como resultado de menor lubrificação. Uma indicação para resolver o problema é reduzir o tempo em frente à TV e computador, fazendo pequenos intervalos para ficar longe dos aparelhos. Outra opção são óculos de descanso, recomendados para quem sofre, também, de vista cansada.

Alergia

A alergia pode ser a causa da ardência nos olhos. O problema pode estar localizado nos próprios olhos ou ser consequência de uma reação alérgica respiratória, como a rinite. Nesse caso, o sintoma desaparece assim que algum remédio antialérgico for tomado.

Se a alergia estiver localizada nos olhos, pode ser devido à maquiagem ou a algum produto que deixou as pálpebras e o globo ocular sensíveis. A dermatite de contato, por exemplo, atinge as pálpebras, em alguns casos.

Conjuntivite

A conjuntivite é uma doença que tem como sintoma a ardência nos olhos. A diferença é que esse sinal não aparece sozinho; ele é acompanhado por vermelhidão, coceira, secreção e lacrimejamento.

Bactérias, vírus ou fungos são os causadores da conjuntivite. Será preciso fazer uma consulta médica para que um colírio adequado ao tratamento seja prescrito. Em alguns casos, é preciso afastamento das atividades rotineiras, como escola ou trabalho, pois a infecção pode ser contagiosa.

Distúrbios visuais

Qualquer problema de visão que exija maior esforço para enxergar adequadamente pode causar a ardência nos olhos. Ela será resultado desse esforço e do fato de piscar menos, com o intuito de focar melhor a visão.

O problema é resolvido assim que o distúrbio de visão é corrigido, com o uso de óculos ou lentes. Se há dificuldade para enxergar e os olhos ardem, vá ao oftalmologista o quanto antes.

Poluição ambiental

Quem vive em regiões ou cidades mais poluídas e com ar seco pode ser afetado pela ardência nos olhos com certa frequência. Nesse caso, mesmo que a lubrificação esteja adequada, é normal sentir esse ardor. Para ajudar a amenizar o problema é indicado pingar um colírio lubrificante ou de limpeza.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Terçol é contagioso?

Terçol é contagioso?

As pessoas conhecem os sinais característicos do terçol: inchaço na pálpebra, vermelhidão, dor e dificuldade para abrí-los.

Normalmente, são ocorrências que desaparecem voluntariamente em um período de poucos dias. Nos casos mais insistentes, pode levar até duas semanas. Nesses casos, suspeita-se que o indivíduo tenha problemas relacionados ao sistema imunológico. Caso a reincidência se torne comum, convém buscar a assistência de um médico para uma investigação das causas.

O terçol, também denominado hordéolo, está relacionado a fatores ambientais, como:

  • má higiene da região dos olhos
  • uso excessivo de maquiagem e deficiência na sua remoção
  • alterações hormonais ligadas à adolescência e à gravidez
  • blefarite e meibomite

Em alguns casos, a repetição dos episódios pode ser devido à permanência de alguma bactéria mais resistente na região.

A ocorrência do terçol se deve à ação de bactérias que invadem as glândulas sebáceas localizadas nas pálpebras. O processo inflamatório é decorrência do acionamento dos mecanismos de defesa do organismo para o combate à ação desses organismos. O processo de defesa leva à morte de células, que causam a obstrução das glândulas.

Normalmente, o tratamento do terçol pode ser feito com aplicação de compressas de água morna, colírio ou pomada, de acordo com a recomendação médica. Deve-se procurar um oftalmologista em casos em que os sintomas persistem por mais de uma semana.

Porém, apesar de ser decorrente de um processo infeccioso, que se manifesta de forma bastante visível, o hordéolo, ao contrário de alguns tipos de conjuntivite, não é contagioso. Muitas pessoas confundem, por causa das semelhanças entre as duas doenças. Ressalta-se que, mesmo a conjuntivite, dos tipos alérgica e tóxica, não são contagiosas (mas é bom manter isolamento de contato, pois nem sempre é fácil distinguir as causas)

Como prevenir o terçol

Não há como garantir isenção da doença somente com medidas preventivas. É possível, não obstante, reduzir as possibilidades de ocorrência, seguindo algumas medidas.

Uma delas, bem específica, é o hábito de fazer a higiene dos olhos pela manhã, logo ao acordar. Essa medida é essencial para evitar o acúmulo de secreção, que oferece as condições para o desenvolvimento da infecção.

Evitar coçar os olhos com as mãos é atitude de proteção aos olhos contra vários problemas. Para quem usa lentes de contato, higienizá-las corretamente é primordial, assim como lavar as mãos. No caso das mulheres, é recomendado retirar totalmente a maquiagem ao final do dia.

Se os sintomas perdurarem para além de 7 ou 8 dias, procure um oftalmologista. Enquanto isso, não recorra a nenhum tipo de medicação. Trate com compressas mornas e lavagem do olho afetado duas vezes ao dia. Em caso de persistência dos sintomas, o oftalmologista indicará tratamento com medicação, que pode ser com pomada ou colírio.

Apenas em alguns casos, como o calázio ou hordéolo grande, pode ser necessário o tratamento cirúrgico, que consiste em drenar o conteúdo obstrutivo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
4 riscos ao usar óculos de forma errada

4 riscos ao usar óculos de forma errada

É uma cena muito comum: um centro comercial, camelôs e lojas espalhadas pelas ruas, várias delas vendendo óculos de grau e de sol por um preço baixíssimo. As pessoas que compram esses produtos, levadas pelo valor, geralmente não imaginam o mal que eles podem causar à saúde dos olhos.

A rotina de ir ao oftalmologista, fazer exames, coletar a prescrição médica e depois ir até uma ótica para fazer as lentes sob medida pode parecer trabalhosa, mas é muito necessária.

Mesmo que você encontre algo com o grau parecido à sua prescrição, seus olhos são únicos. Não se trata apenas do grau em si, mas do objetivo dele, como a lente deve ser fabricada e a maneira como a armação deve ficar no seu rosto.

Além do mais, produtos falsos são normalmente de má qualidade, ou seja, mesmo que sigam o grau indicado na hora da compra, muitas vezes as lentes não têm esse grau por toda sua extensão, o que prejudica a visão significativamente.

Perigos dos óculos falsos

Maiores riscos de progressão de doenças silenciosas

Graus pequenos conseguem ser disfarçados com o uso desse tipo de produto, o que pode ser até mais perigoso. Isso faz com que a pessoa sinta que resolveu o problema e não procure acompanhamento médico. Se ela tiver alguma doença silenciosa, como o glaucoma, que não apresenta sintomas no início, as chances de tratamento vão diminuindo.

Tratamento inadequado

Não só as lentes são feitas sob medida para cada usuário, mas na ótica também é realizado um rápido procedimento para reconhecer as medidas da Distância Naso-Pupilar, ou DNP. Ela é importante para que as lentes fiquem centralizadas; a DNP deve estar alinhada precisamente com o centro das pupilas.

Os produtos encontrados sem prescrição com certeza não terão esse cuidado, pois cada óculos deve ser montado individualmente.

Sintomas associados

O uso inadequado de corretores visuais pode ocasionar uma série de sintomas secundários que muitas vezes não são percebidos como tendo relação com a vista. Tontura, dores de cabeça constantes e/ou intensas e outros tipos de desconfortos são queixas comuns de quem usa lentes e armações falsas.

Diferença entre os olhos

Digamos que, com uma sorte tremenda, você encontre os óculos que tenham exatamente o seu grau e que até estejam centralizados. Ainda assim, você também teria que ter a sorte de ter o mesmo grau nos dois olhos, o que é extremamente raro por si só. Esse tipo de produto não possui diferenciação entre as duas lentes.

Não vale a pena arriscar a saúde dos olhos com óculos falsos, por mais baratos que sejam. Na verdade, sua venda é proibida, ainda que não exista muita fiscalização. Então, já sabe, certo? Fuja deles!

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Tratamento para olhar cansado: como funciona?

Tratamento para olhar cansado: como funciona?

Com o passar dos anos, a área dos olhos vai ficando mais sensível a transformações naturais, que acabam por debilitar essa região. Flacidez, pálpebras caídas e olheiras são algumas coisas que contribuem para a temida aparência de olhar cansado.

Querendo ou não, esta é uma situação que acaba por afetar, de certa maneira, a autoestima de homens e mulheres. Mas há tratamento. A maioria das soluções se dá por meio de intervenções cirúrgicas, que resolvem com eficácia essa situação. Como resolver o problema? Confira abaixo algumas soluções.

Blefaroplastia: A cirurgia que elimina o olhar cansado

Você tem pálpebras flácidas? Essa é uma das característica responsáveis por promover o olhar cansado. Por isso, a primeira recomendação de tratamento é a blefaroplastia, que consiste remover o excesso de pele, músculo (conhecido como orbicular) e gordura da pálpebra, .

Mas para que isso seja feito, é necessária uma pré-avaliação médica. O especialista avaliará como serão feitas as incisões e as posições corretas para que a pele da região não venha cair após o período de recuperação. Você pode ler mais sobre o procedimento aqui.

Lifting de sobrancelhas

O lifting de sobrancelhas é recomendado também para quem tem queda, mal posicionamento na região superior das pálpebras, que pode deixar o olhar com um aspecto triste, de desânimo.

A incisão é feita na sobrancelha, de modo a suspendê-la para que fique mais elevada. Para isso, o cirurgião oftalmológico disseca a região da linha onde nasce o cabelo até a área desejada. Ou por via interna, através da incisão da própria blefaroplastia.

Recuperação

Quem tem olhar cansado e passa por esses tipos de operação têm uma recuperação tranquila, mas que demanda certos cuidados. A cicatrização é muito rápida e geralmente em um mês os efeitos já podem ser vistos por completo.

Entretanto, alguns cuidados, como: usar óculos escuros, tomar os medicamentos necessários e compressas de gelo ajudam a tornar a recuperação menos incômoda. Após 24 horas da cirurgia, o médico irá avaliar possíveis hematomas ou lacrimejamento que são normais. O importante é seguir as indicações médicas para que a recuperação seja tranquila e rápida, e depende de como o paciente cuida da área operada.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo.

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
7 mitos e verdades sobre a plástica ocular

7 mitos e verdades sobre a plástica ocular

A plástica ocular é indicada para eliminar gordura e flacidez das pálpebras, bolsas abaixo das pálpebras inferiores, remodelação do contorno de pálpebras, desobstruir as vias lacrimais, remoção de manchas e no tratamento cirúrgico de tumores. Embora seja um procedimento de baixo risco, há muitas dúvidas sobre essa especialidade.

Conheça alguns mitos e verdades sobre a plástica ocular

É uma cirurgia complexa e arriscada

Mito. A cirurgia, realizada por especialista, é bastante segura. Antes do procedimento, claro, o paciente realizará todos os exames solicitados pelo médico oftalmologista. Existe risco quando o paciente não está com a saúde estável; tem hipertensão, mas não a controla corretamente; ou tem doenças oculares e da tireóide, por exemplo. Mas todas as condições do paciente são avaliadas minuciosamente antes da plástica ocular.

Deixa cicatrizes visíveis.

Mito. Após a maturação das cicatrizes, o que leva, em média, três meses, elas ficam imperceptíveis. Como são muito fininhas, as cicatrizes confundem-se com os próprios sulcos da pele das pálpebras. Um tipo de plástica ocular para remover gordura das pálpebras inferiores deixa cicatrizes invisíveis porque as incisões são feitas na parte interna.

O paciente sente muita dor após o procedimento

Mito. A operação é delicada e a recuperação tranquila, seguindo as orientações do médico. Além disso, após o procedimento, o paciente poderá tomar analgésicos, caso sinta dor.

A plástica ocular não deixa os olhos inchados nem manchas roxas

Mito. Depois da cirurgia, os olhos ficarão inchados. Cada paciente reage de uma maneira. Alguns pacientes já ficam com os olhos normais em poucos dias. Outros levam mais tempo. Para atenuar o edema, devem ser aplicadas compressas frias e, ao sair de casa, deverão usaram óculos escuros. As manchas roxas também são normais após a cirurgia.

Depois do procedimento, é necessário manter os olhos vedados.

Mito. Isso não é necessário. O paciente só deve fazer compressas frias e seguir as orientações médicas, após o procedimento. O ideal é realizar a cirurgia no momento mais propício, ou seja, quando há tempo para manter o repouso.

Os resultados aparecem após três meses

Verdade. Depois de três meses, já é possível notar a diferença. Com uma semana, sem edemas e manchas roxas, o paciente percebe a mudança, mas o prazo para obter resultados definitivos é, no mínimo, três meses.

A plástica ocular não exige anestesia geral

Verdade. A operação é realizada sob efeito de anestesia local e sedação oral ou intravenosa. Ou seja, durante o procedimento, o paciente estará acordado, mas não sentirá dor. Em alguns casos pode-se usar anestesia geral. O melhor tipo de anestesia deve ser conversado entre o paciente, cirurgião e anestesista.

A exposição ao sol só deve ocorrer após três meses.

Verdade. Até a cicatrização completa, o paciente não deverá tomar sol. Quando precisar sair durante o dia, é necessário usar filtro solar, óculos escuros e chapéu. Após três meses, já é possível tomar banho de sol, porém, sem deixar de usar o filtro solar. Somente depois de 12 meses, a área operada poderá ficar exposta ao sol, sem filtro. Contudo, a proteção solar é essencial à saúde da pele, independentemente da plástica ocular.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre o meu trabalho como oftalmologista em São Paulo.

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos
Bolsas palpebrais: prevenção e tratamento

Bolsas palpebrais: prevenção e tratamento

Como se prevenir contra o surgimento de bolsas palpebrais? O surgimento de bolsas na área dos olhos é um problema que afeta muitas pessoas, causando um desconforto muito grande. Embora alguns casos estejam relacionados diretamente à hereditariedade, há fatores externos que podem influenciar na ocorrência desse problema. Entenda como prevenir o parecimento destas bolsas de gordura e os tratamentos mais comuns.

Bolsas palpebrais: prevenção

A pele é muito suscetível ao envelhecimento. Assim como outros órgãos do corpo, a pele reage de forma espontânea a qualquer hábito ou condição que venha lhe prejudicar. O surgimento de bolsas nas pálpebras não costuma ter um prazo determinado para surgir, uma vez que a condição é progressiva. Por isso, algumas medidas podem ser úteis antes do problema se agravar.

O primeiro a ser considerado é a exposição ao sol. A exposição solar, embora seja saudável em alguns horários, pode ser prejudicial em outros momentos. A intensidade de raios ultravioletas na pele pode causar um fotoenvelhecimento acelerado e as rugas, marcas depressivas e as bolsas palpebrais começam a aparecer.

Evite ter muito contato com o sol e se possível, use sempre um protetor solar para proteger ao máximo o contorno dos olhos.

Outra dica importante é evitar consumir alimentos muito gordurosos e com alto índice de sal. Dessa maneira, o excesso de peso não se tornará a causa de risco para ocasionar as bolsas nas pálpebras e a renovação das células da pele será feita de maneira mais eficiente.

Evitar o fumo e beber bastante água também costumam ser boas práticas, pois ajudam a limpar a pele. Até o estresse também precisa ser controlado. Esses motivos são muito influenciáveis para o envelhecimento da pele, e em virtude disso, provocar acúmulo de pele ou gordura ao redor dos olhos.

Bolsas palpebrais: tratamento

Para quem já enfrenta o problema, existem alguns procedimentos que podem ser levados em consideração, de acordo com a orientação médica.

Algumas sugestões que podem ser feitas em casa incluem:

Drenagem linfática manual. O ato de massagear as pálpebras dos olhos delicadamente auxilia a região a não acumular líquidos e outras substâncias.

Compressas Geladas Caso acorde com os olhos inchados, faça compressas geladas. Elas dão um alívio imediato e ajudam a desinchar essa região delicada.

Cirurgia Se as bolsas estiverem incomodando esteticamente, uma opção é a cirurgia palpebral, a blefaroplastia. Proporcionando um rejuvenescimento natural e suave. Existe uma técnica que não deixa cicatriz aparente, que pode ser utilizado em alguns casos.

Se as pálpebras estão anormalmente inchadas, procure um médico, porque algumas doenças evoluem com retenção de líquido e o inchaço das pálpebras é um dos sintomas.

Lembre-se que assim como outros órgãos, a pele também precisa de comportamentos adequados para ter um aspecto sadio e sem transtornos.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo.

Posted by Dra. Erika Uchida in Todos