O Ceratocone é uma doença que afeta diretamente as córneas e modifica a estrutura e curvatura. A confirmação do caso é dada por exames oftalmológicos e pelo diagnóstico médico. 

É uma condição rara que tem a evolução lenta e atinge os olhos de forma assimétrica. Tem grande potencial para comprometer a visão causando sintomas sérios, por isso, é um dos principais motivos para a realização de transplantes de córneas no país.

Por causa das consequências, o Ceratocone é um tema muito abordado atualmente. Quer saber mais sobre o assunto? Confira neste post tudo para conhecer melhor essa doença e o que ela pode representar para a saúde ocular.

O que é Ceratocone? 

Ceratocone é uma doença que afeta as córneas deixando-a curvada para frente, formando um aspecto semelhante a um cone. Causa a redução progressiva da espessura da parte central da córnea, que é projetada para fora. 

Trata-se de uma doença não inflamatória e com origem genética, se desenvolvendo lentamente. Isso leva ao surgimento do astigmatismo irregular e miopia, que afetam a qualidade da visão. Se manifesta, geralmente, entre os 10 e 25 anos e existe a possibilidade de se estabilizar com o tempo. 

Quais as causas?

A doença pode ser causada por muitos fatores, desde hereditários as influências ambientais. Entretanto, existem fatores que oferecem risco para acelerar o desenvolvimento da doença. São eles:

Quais os sintomas? 

Os sintomas do Ceratocone aparecem a partir da adolescência e tem evolução gradual, que pode ser diferente em cada olho. Um dos principais e mais graves sintomas é a perda progressiva da visão, que vai se tornando mais distorcida e borrada, exigindo uma nova análise do grau dos óculos. 

Os sintomas também são:

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é determinado com base na análise clínica do paciente, onde o oftalmologista avalia a situação atual e o histórico dos sintomas e perda da qualidade da visão. É fundamental que a constatação da doença seja realizada de forma precoce para aumentar as possibilidades de reduzir o avanço do problema. 

O tratamento consiste no uso de lentes rígidas, Anel de Ferrara e nos casos mais graves, o Crosslink que reforça as fibras da córnea e se o quadro clínico apresentar cegueira, a solução é o transplante de córnea. 

Avaliar a progressão da doença e indicar o tratamento adequado é indispensável para ter sucesso e garantir que os sintomas serão controlados e não prejudiquem a qualidade de vida do indivíduo. 

Por esse motivo, é essencial ter um cronograma de consultas com um oftalmologista de confiança e garantir o acompanhamento profissional de perto. O Ceratocone não tem cura e não é reversível, mas com devido tratamento e monitoramento clínico é possível retardar a evolução da doença e proporcionar uma vida normal para o paciente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!