estrabismo

Estrabismo: principais causas e tratamento

O estrabismo é uma condição oftalmológica marcada por algum grau de desvio ocular. Na maioria dos pacientes, o quadro manifesta-se já na infância, porém também pode se desenvolver em adultos. Com frequência, a posição atípica dos olhos traz reflexos sociais, psicológicos e até econômicos para os indivíduos, além de grande risco de não desenvolvimento pleno, total da visão.

Em uma sociedade tão focada em imagens, essa característica muitas vezes afeta a autoestima dos pacientes. Portanto, é imprescindível conhecer melhor a patologia e as alternativas de tratamento. É justamente esse o objetivo dos dados mostrados a seguir. Acompanhe!

Causas do estrabismo e seus diferentes tipos

Para saber o que causa o estrabismo, é importante entender que existem seis músculos responsáveis por controlar os movimentos dos olhos. Na ação de focar em um objeto com os dois olhos, todos os músculos de cada olho devem trabalhar harmonicamente.

Essa tarefa é comandada pelo cérebro por meio de impulsos nervosos balanceados. Sendo assim, patologias que atingem o cérebro como paralisia cerebral, hidrocefalia, viroses, prematuridade, traumas e tumores no crânio, por exemplo, estão relacionadas ao desvio ocular. Conclui-se, então, que é essencial considerar a possibilidade de alguma doença subjacente.

Grande parcela das pessoas estrábicas não apresenta nenhum sintoma além do posicionamento ocular atípico. Contudo, há quem relate dores de cabeça recorrentes e desconforto nos olhos. Outro sinal de alerta é uma sonolência ao realizar alguma atividade visual mais intensa. Em adultos com estrabismo, nota-se a incidência de visão dupla.

Cabe apontar que a definição dessa patologia oftalmológica depende do posicionamento ocular. No estrábico convergente, o olho está orientado para o nariz; em quadros divergentes, observa-se um direcionamento para os lados; a categoria vertical da disfunção descreve o olho acima ou abaixo do padrão. Não é incomum identificar desalinhamentos verticais e horizontais em uma mesma pessoa.

Como tratar o problema

Os diversos tipos de desvio ocular requerem abordagens diferenciadas. Por isso, recomenda-se sempre consultar com um especialista para discutir as terapêuticas adequadas. Algumas manifestações do problema são corrigidas com uso de óculos com lentes específicas, enquanto outras requerem cirurgia. Quadros mais severos podem precisar de uma combinação das duas medidas para se alcançar o resultado desejado. Alguns casos respondem bem a aplicações de toxina botulínica.

Atualmente, uma série de técnicas, cirúrgicas ou não, estão disponíveis para os estrábicos. Por conseguinte, fica mais fácil recuperar a autoestima e a qualidade vida das pessoas que sofrem com essa característica.

É muito importante que seja detectado e tratado desde o início, pois em alguns casos, se não tratado a tempo, a visão não se desenvolve completamente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Posted by Dra. Erika Uchida