A ptose palpebral é a queda uni ou bilateral da pálpebra superior, que passa a recobrir uma parte maior da córnea e às vezes da pupila. Com isso, a pálpebra superior encontra-se constantemente cobrindo o olho mais do que o normal. Além do comprometimento estético, a ptose palpebral pode diminuir o campo de visão.
É causada por alterações no músculo que eleva a pálpebra ou por problemas neurológicos e pode ser congênita ou adquirida.

A ptose palpebral é a queda uni ou bilateral da pálpebra superior, que passa a recobrir uma parte maior da córnea e às vezes da pupila. Com isso, a pálpebra superior encontra-se constantemente cobrindo o olho mais do que o normal. Além do comprometimento estético, a ptose palpebral pode diminuir o campo de visão.
É causada por alterações no músculo que eleva a pálpebra ou por problemas neurológicos e pode ser congênita ou adquirida.

Os sinais e sintomas da ptose palpebral dependem da intensidade da queda da pálpebra e ela tanto pode ser assintomática como causar dificuldades visuais, peso sobre os olhos e ambliopia (olho preguiçoso).
Frequentemente o paciente é levado a adotar uma posição anômala da cabeça na tentativa de enxergar melhor e muitas vezes tenta compensar a queda da pálpebra por meio da contração da musculatura frontal, elevando os supercílios e produzindo sulcos horizontais na fronte e/ou testa.
Quando a pálpebra fica abaixo da pupila, a ptose palpebral pode impedir a integridade da visão. A ptose involucional ou senil ocorre principalmente a partir dos 60 anos de idade.
Muitos casos de ptose podem ser diagnosticados clinicamente. Vários sinais e manobras são utilizados pelo especialista para reconhecer o tipo de ptose.
Quando a ptose palpebral não é uma manifestação transitória, o tratamento é cirúrgico e pode ser feito por motivos estéticos, funcionais (quando há interferência na visão do paciente), ou por ambos, o que é mais comum.
(Existem várias técnicas de cirurgia, que vai ser escolhida de acordo com a intensidade e a causa da ptose, após a avaliação do especialista. E o tipo de anestesia dependerá da técnica escolhida).

(A cirurgia palpebral nos adultos é realizada sob anestesia local- tiraria essa frase). Na ptose palpebral congênita, a cirurgia deve ser realizada precocemente quando existir risco de ambliopia devido à queda acentuada da pálpebra.
Normalmente, o pós-operatório da correção da ptose palpebral é muito simples.