visão

Qual a diferença entre cegueira e visão subnormal?

A deficiência visual inclui dois grupos de condições distintas: cegueira e visão subnormal. Diferentemente do que pode dizer o senso comum, o termo cegueira não é limitado apenas a pessoas que não enxergam. Reúne indivíduos com vários graus de visão. Por sua vez, a expressão visão subnormal refere-se a pessoas com deficiência visual leve ou moderada nos dois olhos.

Segundo dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e da Agência Internacional de Prevenção da Cegueira (IAPB, do nome em inglês International Agency for Prevention Of Blindness), o número de pessoas cegas ou com a capacidade de enxergar comprometida chega a 253 milhões, no mundo. Estima-se que cerca de 75% dos casos podem ser reversíveis.

As pessoas que apresentam visão subnormal têm dificuldade para realizar as tarefas do cotidiano, mesmo com a correção visual. Normalmente, têm apenas 20% ou menos da capacidade de visão considerada normal.

A cegueira, por sua vez, pode ser transitória, quando ocorre a perda da visão apenas por um intervalo indefinido de tempo. É definitiva, quando a condição se torna permanente e irreversível.

Quem apresenta visão subnormal, geralmente, enxerga como se estivesse olhando por dentro de um tubo, por exemplo, ou vê uma mancha escura na parte central da imagem. É possível realizar tarefas normalmente, ampliando-se as imagens para leitura, com acessórios ópticos, aparelhos especiais, para possibilitar a visão. São aparelhos como óculos com lentes mais fortes do que as comuns, lupas manuais, para que o portador possa segurar o livro na distância normal. Outros artifícios são  jornais e revistas impressos com letras maiores, teclados maiores, aparelhos que leem em voz alta, dentre outras ferramentas.

A visão subnormal é adquirida, na maioria dos casos, congenitamente, como catarata e glaucoma congênitos. Pode, ainda, ser consequência de toxoplasmose adquirida (coriorretinite macular) ou de nascimento prematuro.

Uma das principais formas de diferenciação entre cegueira e visão subnormal é o tipo de leitura. A pessoa cega necessita de instrução em Braille (sistema de escrita por pontos em relevo). A pessoa com visão subnormal lê tipos impressos ampliados ou com o auxílio de potentes recursos ópticos.

A prevenção é muito melhor, mais eficaz e mais barata que o tratamento. Pode ser feita, inclusive, na gravidez. Logo que nascem, alguns bebês já têm o seu primeiro contato com o especialista, ao fazer o teste para detectar possíveis doenças como problema na retina, câncer ocular, catarata, entre outras.

À medida que a criança cresce, a consulta tomará outro perfil e serão diagnosticados problemas de acuidade visual, entupimento do canal lacrimal etc. Nesse momento, tanto a criança quanto o responsável devem relatar possíveis casos não comuns, como dificuldade de enxergar as letras, visão embaçada e dor de cabeça.

Se o primeiro contato com o médico só ocorrer na fase adulta, devem-se relatar todo o histórico de qualidade visual e problemas apresentados por outros membros da família. Normalmente, nessa fase, é comum se apresentarem casos de vista cansada e diminuição do campo visual.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

 

Comentários

Posted by Dra. Erika Uchida