Ter uma visão clara e saudável é essencial para a qualidade de vida. Nesse contexto, qualquer problema que afeta os olhos pode trazer preocupações e comprometer as tarefas pessoais e profissionais. 

A síndrome do olho seco é um exemplo de problema que acontece com muitas pessoas e representa um risco para a visão, já que a ausência da lubrificação dos olhos traz complicações sérias. 

Você já ouviu falar da síndrome do olho seco? Essa condição é muito comum e que pode ser grave. Confira neste post o que é essa síndrome entenda suas causas, sintomas e tratamentos. Continue a leitura e saiba de tudo!

O que é a síndrome do olho seco?

A síndrome do olho seco ocorre quando há baixa ou nenhuma produção de lagrimas, de modo que não seja suficiente para manter a lubrificação dos olhos. Geralmente acontece nos dois olhos, mas pode afetar de forma unilateral, ou seja, apenas em um olho.

Trata-se do ressecamento da superfície dos olhos causada por uma anomalia na produção da lagrima. Também é conhecido como síndrome da disfunção lacrimal e afeta pessoas de todas as idades.

As lagrimas são essenciais para a saúde ocular, pois são responsáveis por manter a hidratação natural dos olhos.  O déficit na produção das lagrimas ressecam e expõe os olhos à agressividade do ambiente, o que deve ser evitado, pois são órgãos extremamente sensíveis. 

O que causa a síndrome do olho seco? 

As lagrimas são compostas basicamente por componente oleoso, aquoso e mucosa que tem um papel fundamental para manter a lubrificação. Qualquer deficiência na produção deles, facilitar a evaporação e pode causar a síndrome do olho seco. 

Muitas vezes, o olho seco pode ser causado pelo bloqueio das vias lacrimais ou sem ser motivado por doenças, mas por aspectos do ambiente, como exposição ao sol, vento, ar condicionado. Além da utilização constante e frequente dos dispositivos móveis, idade e menopausa também contribuem para o problema. 

Quais os sintomas? 

O diagnóstico preciso deve ser realizado por um oftalmologista, por meio de exames simples e não invasivos. Se você sentir os sintomas ou sinais da síndrome do olho seco, o melhor é agendar uma consulta com uma especialista. 

Os principais sintomas são:

Como é o tratamento?

O tratamento para a síndrome do olho seco deve ser indicado por um médico especialista, que determina o que é melhor de acordo com o quadro do paciente. Apesar de não ter cura, existem formas simples para controlar e ter uma vida normal, livre dos sintomas. 

São diversas formas para tratar o olho seco, como o uso de colírios, que é eficiente em sintomas mais simples. O uso de anti-inflamatórios que tem o objetivo de estimular a produção de lagrimas. Ainda existem tratamentos mais intensos, mas devem ser especificados por um oftalmologista.

Como você pode perceber, a síndrome do olho seco é um problema sério traz desconfortos e riscos à saúde ocular. Portanto, se algum sintoma persistir, é indispensável evitar o automedicamento e procurar uma oftalmologista para um diagnóstico e acompanhamento adequado.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!