terçol

Terçol é contagioso?

As pessoas conhecem os sinais característicos do terçol: inchaço na pálpebra, vermelhidão, dor e dificuldade para abrí-los.

Normalmente, são ocorrências que desaparecem voluntariamente em um período de poucos dias. Nos casos mais insistentes, pode levar até duas semanas. Nesses casos, suspeita-se que o indivíduo tenha problemas relacionados ao sistema imunológico. Caso a reincidência se torne comum, convém buscar a assistência de um médico para uma investigação das causas.

O terçol, também denominado hordéolo, está relacionado a fatores ambientais, como:

  • má higiene da região dos olhos
  • uso excessivo de maquiagem e deficiência na sua remoção
  • alterações hormonais ligadas à adolescência e à gravidez
  • blefarite e meibomite

Em alguns casos, a repetição dos episódios pode ser devido à permanência de alguma bactéria mais resistente na região.

A ocorrência do terçol se deve à ação de bactérias que invadem as glândulas sebáceas localizadas nas pálpebras. O processo inflamatório é decorrência do acionamento dos mecanismos de defesa do organismo para o combate à ação desses organismos. O processo de defesa leva à morte de células, que causam a obstrução das glândulas.

Normalmente, o tratamento do terçol pode ser feito com aplicação de compressas de água morna, colírio ou pomada, de acordo com a recomendação médica. Deve-se procurar um oftalmologista em casos em que os sintomas persistem por mais de uma semana.

Porém, apesar de ser decorrente de um processo infeccioso, que se manifesta de forma bastante visível, o hordéolo, ao contrário de alguns tipos de conjuntivite, não é contagioso. Muitas pessoas confundem, por causa das semelhanças entre as duas doenças. Ressalta-se que, mesmo a conjuntivite, dos tipos alérgica e tóxica, não são contagiosas (mas é bom manter isolamento de contato, pois nem sempre é fácil distinguir as causas)

Como prevenir o terçol

Não há como garantir isenção da doença somente com medidas preventivas. É possível, não obstante, reduzir as possibilidades de ocorrência, seguindo algumas medidas.

Uma delas, bem específica, é o hábito de fazer a higiene dos olhos pela manhã, logo ao acordar. Essa medida é essencial para evitar o acúmulo de secreção, que oferece as condições para o desenvolvimento da infecção.

Evitar coçar os olhos com as mãos é atitude de proteção aos olhos contra vários problemas. Para quem usa lentes de contato, higienizá-las corretamente é primordial, assim como lavar as mãos. No caso das mulheres, é recomendado retirar totalmente a maquiagem ao final do dia.

Se os sintomas perdurarem para além de 7 ou 8 dias, procure um oftalmologista. Enquanto isso, não recorra a nenhum tipo de medicação. Trate com compressas mornas e lavagem do olho afetado duas vezes ao dia. Em caso de persistência dos sintomas, o oftalmologista indicará tratamento com medicação, que pode ser com pomada ou colírio.

Apenas em alguns casos, como o calázio ou hordéolo grande, pode ser necessário o tratamento cirúrgico, que consiste em drenar o conteúdo obstrutivo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oftalmologista em São Paulo!

Comentários

Posted by Dra. Erika Uchida